Jejum Intermitente: tudo que você precisa saber

Tempo de leitura: 6 minutos

Para começar você precisa entender que jejum intermitente não é algo novo.

A prática do jejum intermitente entrou na minha vida há cerca de 10 meses. A ciência já estuda (e corrobora com) os mais diversos protocolos de jejum há anos. Diversas religiões e culturas utilizavam e ainda utilizam períodos onde há restrição calórica ou jejuns. E o principal, foi a partir da prática do jejum que foi possível a existência e evolução da espécie humana. Ou você acha que nossos antepassados tinham acesso a comida o tempo todo!?

Por tanto o jejum pode ser utilizado, comprovadamente pela ciência, para diversos fins: emagrecimento, melhora da sensibilidade a insulina, limitação e diminuição do quadro inflamatório crônico, longevidade, queda de níveis lipídicos altos, redução da pressão arterial, diminuição do stress oxidativo e ação cardioprotetora!

Uaau, então o jejum intermitente é a oitava maravilha do mundo moderno!?

piramide-alimentarOpa, peraí, vamos com calma! Minha intenção nesse post é desmistificar o Jejum Intermitente que parece ter virado a nova moda do mundo fitness. Sim, a prática de jejuns não é algo novo e deveria ser natural a qualquer um, porém os hábitos alimentares sofreram diversas mudanças que devem ser levadas em consideração antes que você decida parar de comer por horas ou dias.

O que é Jejum ou Jejum Intermitente!?

Nada mais é do que não comer ou beber bebidas calóricas por um determinado período de tempo que pode variar de 12 a 24 horas ou mais. Existem diversos protocolos diferentes.

Nesse período é possível ingerir café e chá não adoçados, além de água a vontade, claro.

low-carbQuem pode fazer!?

Qualquer adulto saudável não dependente de medicação está apto a praticar o jejum. Entretanto, é recomendado que as pessoas interessadas nessa prática tenham uma alimentação low carb (clique para saber mais). Dessa forma não haverá sofrimento no processo.

Isso acontece porque quem segue uma dieta low carb há algum tempo já está acostumado a fazer jejuns naturais. Por tanto, não existe dificuldade nenhuma em implementar jejuns intermitentes programados na rotina.

Mas como assim, jejum não significa passar fome!?

Não, definitivamente não. Muita gente acha que jejum é algo doloroso e custoso ao corpo, porém essa é uma afirmação totalmente errada. O jejum precisa ser algo simples e prazeroso. Isso mesmo, prazeroso! Eu, particularmente, adoro ficar em jejum já que não sinto fome, fico extremamente atenta e produtiva, além de não precisar me preocupar com comida. É libertador!

Dessa forma, pessoas ceto-adaptadas, ou seja, adaptadas a metabolizar gordura como fonte de energia, praticam jejum de forma natural e agradável. Por isso, acredito que é necessário saber se alimentar de forma correta e/ou ter uma alimentação low-carb.

fomeIsso porque uma pessoa que tem sua alimentação baseada em carboidratos (clique para saber mais) naturalmente sente fome com mais frequência, já que esse macronutriente eleva os níveis de açúcar no sangue provocando a oscilação do hormônio insulina, o que acaba por ocasionar fome com muita frequência.

Fique atualizado!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as novas publicações do site!

Quem NÃO deveria fazer jejum intermitente!?

Pessoas com qualquer tipo de patologia, pessoas que querem engordar, grávidas e PRINCIPALMENTE, pessoas que não sabem se alimentar corretamente.

Como funciona o jejum:

Na prática só existem dois tipos de estados metabólicos possíveis, o alimentado e o não-alimentado (jejum). Enquanto o corpo estiver no estado “alimentado”, ele está funcionando com o objetivo de “armazenar”. Quando está “em jejum” ele está utilizando suas reservas.

jejum-intermitenteNossos ancestrais mantinham um equilíbrio saudável desses dois estados, o que não acontece nos dias de hoje. No estilo de vida atual, passamos praticamente 2/3 do dia no estado “alimentado”, já que comemos a cada 3 horas, o que impede que o corpo utilize suas reservas de gordura.

Na prática de jejum intermitente o corpo ficará por mais tempo no estado “não-alimento” ou “em jejum”, tornando-se apto a utilizar suas reservas de energia (gorduras).

Mas e o metabolismo!? Ficar sem comer não vai desacelerar meu metabolismo?

Pense comigo. Se isso fosse verdade não teríamos evoluído e chegado até aqui. Se estamos com fome precisamos de energia para ir em busca de alimento, seja ele um animal ou algumas raízes. Dessa forma, do ponto de vista evolutivo, não faz sentido algum que nosso metabolismo diminuísse ou estaríamos fadados à extinção.

A diminuição do metabolismo aconteceria no caso de abstenção de alimentos de forma crônica, sendo essa diminuição uma forma de manutenção da vida. Existem estudos, como este e esse, que mostram um aumento ou manutenção do metabolismo basal mesmo com a prática de jejuns. No primeiro estudo mostra-se um aumento do metabolismo basal com jejuns de até 72 horas.

O livro “Eat Stop Eat” do autor Brad Pilow trata especificamente de jejuns intermitentes. O livro é recheado de referências cientificas capazes de corroborar a utilização de protocolos de jejuns para fins diversos. Um esclarecimento feito, e comprovado através de estudos científicos, pelo autor é que a restrição calórica quando associada à musculação não leva à perda de massa muscular.

Entre os tantos benefícios do jejum, vou enumerar 10 (existem mais!):

  1. Aumento da queima de gordura
  2. Controle do hormônio da fome
  3. Diminuição do hormônio do stress, o que ocasiona maior queima de gordura abdominal
  4. Aumento da sua função cerebral, ocasionando melhora na memória e na concentração
  5. Impulso ao seu metabolismo e energia
  6. Redução do risco de diabetes ou abrandamento dos sintomas dos já diabéticos
  7. Aumento da testosterona em homens
  8. Maior sensibilidade à insulina
  9. Rápida perda de peso
  10. Limpeza e renovação do seu corpo em nível celular (autofagia)

O assunto é extenso e complexo, porém vale ressaltar que a prática de jejuns é algo que ultrapassa os limites da estética. Além do ganho de saúde, jejum tem muito a ver com auto-conhecimento.

A partir da prática de jejum intermitente pude descobrir quando realmente sinto fome e quanto de comida preciso para estar bem disposta e ativa. No entanto, para mim o maior ganho veio em forma de controle do corpo e da “compulsão alimentar”.

Além disso tudo, saber que posso ficar muitas horas sem comer (sem morrer ou desmaiar ou até mesmo passar fome) é LIBERTADOR.

Isso é tudo! Procure acompanhamento nutricional e tente você também, é uma experiência única que todos deveriam tentar.

Espero que tenha gostado do post! Estou à disposição para qualquer dúvida.

Beijos e até a próxima!

Gostou do artigo, tem dúvidas ou dicas para passar? Deixe um comentário abaixo e responderemos assim que possível.

Fique informado! Cadastre seu email no Você Mais Fitness e receba novidades, artigos e dicas imperdíveis para ter uma vida mais saudável (grátis)!

Comments

comments

  • jacy

    Muito interessante o artigo Malu.
    É verdade, comecei fazer jejum intermitente e realmente é algo fantástico. Eu particularmente descobri que treinar pela manhã em jejum é muito bom, me sinto cheia de força e dou o gás muito mais que antes quando eu comia. Minha disposição aumentou, sinto muito menos fome e não tenho mais compulsão por comida e principalmente doces. Me “forço ” em comer porque estou amamentando. Parabéns pelo seu trabalho. Que Deus te abençoe e que o blog possa crescer cada vez mais, para que muitas pessoas acordem e procure uma vida saudável. Beijo lindona sua “amiga” de Roma kkkk😘

  • Oi Jacy, parabéns pela sua coragem em tentar algo visto como loucura por ai, rs.. e pela disciplina, claro! Muito obrigada por todos os elogios e votos de sucesso. Agradeço pelo carinho e espero estar sempre podendo ajudar de alguma forma!
    =]
    Beijo grande!