Compulsão alimentar: 8 dicas para lidar com ela

Tempo de leitura: 8 minutos

compusao-alimentarUltimamente tem se falado muito em compulsão alimentar. Mas o que seria isso? Como eu sei que estou sendo vítima da compulsão alimentar? O que eu faço para acabar com ela?

Vamos com calma!

A primeira coisa que você deve ter ciência é de que compulsão alimentar tem muito mais a ver com seu psicológico do que com qualquer outra coisa, porém a alimentação pode dar um empurrãozinho para que você comece ou tenha episódios de compulsão.

O que é compulsão alimentar?

Procurando por compulsão alimentar no Google, obtive a seguinte definição:

É uma doença mental em que a pessoa sente a necessidade de comer, mesmo quando não está com fome.”

Mesmo quando satisfeita ela segue ingerindo comida ultrapassando, quase sempre, os limites do corpo. Pessoas com compulsão alimentar comem grandes quantidades de alimentos em pouco tempo, sem se quer distinguí-los, sejam gostosos ou não. Quase sempre a pessoa acometida pela compulsão tenta esconder ou tem vergonha desse tipo de situação.

Quem pode ter?

Qualquer pessoa!

Quando digo que a compulsão tem a ver com o psicológico, quero dizer que qualquer pessoa que esteja passando por uma situação difícil, que tenha problemas crônicos na vida, na saúde, ou que simplesmente está altamente estressada ou pressionada, pode ter ou passar por episódios de compulsão alimentar.

Isso porque somos seres complexos e dotados de emoção. Quase sempre transferimos nossas tensões para outros âmbitos da vida como forma de aliviá-las. Por isso é tão comum ver pessoas que tem problemas crônicos dos mais diversos (seja ele um problema com a família, emprego, estresse, dinheiro, auto-aceitação, auto-estima, vocação), “descontarem” isso na alimentação, comendo muito ou pouco.

Por isso, mesmo que você se ache equilibrado o bastante, também está suscetível a esse tipo de situação, até porque nem sempre é algo que podemos controlar.

compulsão-alimentarSe é uma doença, o que a alimentação tem a ver com isso?

Bem, muita coisa! Digo isso por experiência própria. O primeiro episódio de compulsão alimentar de que me lembro bem foi após já estar há algum tempo em dieta. Parece incoerente, mas o fato de estar de dieta me fez perder o controle sobre a comida e a alimentação.

Fique ligado, dieta pode ser um gatilho para a compulsão alimentar.

Muitas pessoas passam pela mesma situação que passei. Isso porque estar de dieta, no geral, é uma situação altamente estressante, ou porque aquele indivíduo já possui algum problema, e por isso está de dieta, ou pelo simples fato de estar controlando o que ingere.

A melhor alternativa nesses casos é procurar um psicólogo ou psiquiatra, já que a doença está na mente.

Os hábitos alimentares também podem ser gatilhos para a compulsão alimentar!

Os hábitos alimentares também têm tudo a ver com um histórico de compulsão alimentar. Isso porque uma pessoa que está suscetível no âmbito psicológico a esse transtorno, torna-se ainda mais vulnerável caso siga uma alimentação rica em carboidratos ou/e uma dieta na qual tem a obrigação de comer a cada “x” horas.

Como já vimos nesse post aqui sobre carboidratos, esse macronutriente quando digerido pelo organismo é transformado rapidamente em energia, aumentando assim os níveis de açúcar no sangue. Quando isso acontece muitos hormônios são liberados pelo corpo com a finalidade de metabolizar tudo que está disponível.

Controlar-a-Compulsão-AlimentarUm deles é a insulina, que permite a entrada de energia nas células, “limpando” o sangue. O problema aqui é que a insulina é extremamente eficiente e, por isso, quando ela termina o seu trabalho os níveis de açúcar disponíveis no sangue despencam de tal forma que você precisará comer novamente para regularizar a situação.

Ou seja, você sentirá fome novamente e pouco tempo depois! Com uma alimentação rica em carboidratos (que são facilmente digeridos) os níveis de açúcar estão sempre em uma eterna gangorra, o que fará com que você esteja sempre com fome. O que obviamente facilita a compulsão alimentar.

Ter que comer de três em três horas também não ajuda em nada na compulsão. Falar para uma pessoa que já tem problemas com a comida que ela precisa ingerir pequenas quantidades de alimento a cada três horas é só mais uma forma de fazê-la pensar em comida o tempo todo.

Fique atualizado!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as novas publicações do site!

comparação-drogas-açúcarOutro fator importante: como as drogas, comida também pode viciar!

Estudos recentes mostram que alguns tipos de comida, aquelas altamente palatáveis, ricas em açúcar (carboidratos) e/ou gordura, têm o mesmo efeito no cérebro que drogas como a cocaína e heroína. Assim como as drogas, esse tipo de comida desregula a transmissão de hormônios e agentes químicos responsáveis por, entre outras coisas, regular o prazer, o humor, o sono e a fome.

É o que evidência o estudo de Wang e colaboradores onde a disponibilidade do receptor de dopamina (D2) está diminuída em indivíduos obesos. A dopamina modula circuitos de motivação e recompensa e, portanto, a deficiência de dopamina em indivíduos obesos pode perpetuar a compulsão alimentar como um meio para compensar a diminuição da ativação desses circuitos.” Guilherme Renke, médico.
O que torna a comida capaz de viciar e, por consequência, provocar a compulsão alimentar.

Como lidar/controlar a compulsão:

  1. Faça uma alimentação low carb: não estou falando em dieta, estou falando sobre uma alimentação, sobre um estilo de vida onde você ingere menos carboidratos. Comendo menos carboidratos a oscilação de insulina no sangue será menor e a fome também. Clique aqui para saber mais.

  2. Identifique os alimentos que lhe causam algum tipo de fascínio e mantenha-se longe deles: para mim isso funciona muito. Manteiga de amendoim, coco seco, queijo, banana, manteiga de coco e chocolate meio amargo/amargo são alimentos que, apesar de fazerem parte de uma alimentação saudável, eu não consigo comer em pequenas quantidades. Por isso, evito ter na minha casa sempre ou só tenho quando sei que estou focada e com o psicológico em dia. Identifique quais são os seus e não se engane!

  3. Beba mais água! O cérebro confunde desidratação com fome, muitas vezes achamos que estamos com fome, porém é apenas falta de água. Antes de sair por aí comendo o mundo, certifique-se que não está apenas com sede.

  4. Inclua chás e café na sua rotina: por passarmos tanto tempo comendo de forma errada, acabamos com a necessidade de estar sempre ingerindo alguma coisa. Comer o tempo todo não só engorda como também pode desencadear a compulsão alimentar, por isso, tente beber um chá ou café (não adoçados) em vez de comer uma guloseima.

  5. Preencha seu tempo! Não é fome, é ociosidade! rs. Quem nunca se pegou olhando pro nada e logo depois foi parar na geladeira procurando alguma coisa pra comer!? Ocupe seu tempo com algo produtivo!!!

  6. Pare de ficar olhando comida o tempo todo: o Instagram é uma ferramenta maravilhosa, porém pode nos sabotar em muito aspectos, e esse é um deles! Olhar comida dá fome e não sou eu que estou dizendo, já existem pesquisas que comprovam isso. Quando não estou suficientemente equilibrada evito o Instagram e também programas culinários (que amo assistir!).

  7. Acredite na sua força! No início da minha reeducação alimentar eu desistia todos os dias por achar que não era forte o suficiente para dizer não a mim mesma e as minhas vontades. Só consegui evoluir nesse quesito quando decidi acreditar que era capaz e dei a mim mesma o benefício da dúvida. Hoje sei que não conheço o tamanho da minha força!

  8. Aprenda a dizer não! Esse é o mais importante e mais difícil de se fazer. Não sei exatamente como fazer, só sei que as vezes consigo, outras não. A dica é: acredite, a comida não vai sumir do planeta e com toda certeza você terá oportunidades de comê-la outras vezes.

Essas são dicas pessoais que me ajudaram muito a controlar a minha compulsão, porém a transformação do meu estilo de vida e a mudança da minha alimentação no sentido de torná-la cada vez mais natural e simples é que fizeram a maior diferença.

No entanto, preciso reconhecer que, apesar do esforço, ainda não estou imune aos episódios de compulsão alimentar (e acho que ninguém está). Então, se você tem alguma outra dica sobre esse assunto, compartilhe-a deixando um comentário aqui, no Instagram, no meu canal no Youtube… onde você quiser, só não deixe de me dizer!

Espero que tenha gostado do post!

Beijos e até a próxima!

Fique informado! Cadastre seu email no Você Mais Fitness e receba novidades, artigos e dicas imperdíveis para ter uma vida mais saudável (grátis)!

Comments

comments